Descubra como funcionam alguns dos testes de colisão da Volvo



 

Existem diversos testes que são exigidos por lei para garantir a qualidade estrutural de caminhões que serão lançados, como o de impacto frontal, visando maior segurança para o motorista. Na Volvo, levamos esses testes a padrões ainda mais altos, realizando uma série de provas que são conhecidas como o “teste sueco de resistência de cabine”. Além disso, temos um time de especialistas que estudam acidentes de trânsito para entender as diversas possibilidades de acontecer esses fenômenos e diminuir o risco para quem está conduzindo o pesado. Essa equipe é chamada de ART, sigla para Accident Research Team ou Time de Pesquisa de Acidentes, em português.

Confira agora como são os testes que utilizamos para colocar à prova os nossos caminhões:

 

Testes de computador

Realizamos muitas tentativas de descobrir pontos vulneráveis dos caminhões Volvo utilizando modelagens virtuais em casos de colisões, que servem como um primeiro passo para preparar nossos veículos para situações da vida real, mas precisamos testar usando modelos físicos, para visualizar de forma concreta todas as possibilidades.

 

Resistência do teto

Utilizando uma barra estática, forçamos um impacto contra a parte de cima da cabine, um teste que é obrigatório para todas as montadoras. Mas como usamos o método sueco, o peso aplicado é de 15 toneladas, 5 a mais do que o exigido.

 

Impacto traseiro

Aplicamos uma colisão na parte de trás da cabine do caminhão, com uma massa de 1250 kg, que testa a força da cabine de uma maneira que não é usada normalmente.

 

Impacto frontal

Diferente dos testes que geralmente são utilizados, que colocam o caminhão contra um obstáculo no nível do chão, também criamos uma colisão que acontece na área mais vulnerável da cabine: o parabrisas. Essa é a área possivelmente mais letal em um acidente, por isso não basta testar a parte debaixo que tem apoio do chassi, estendendo para as colunas e o vidro dianteiro também.

 

Uma maneira diferente de testar

Além de trazer mais desafios para a resistência da cabine com pesos maiores e testes diferenciados, outro ponto específico do teste sueco é que todos os impactos são realizados na mesma cabine, ao invés de usar um caminhão por prova, como é feito em outras versões.

São muitos jeitos de tornar um Volvo mais seguro: os pesados testes utilizados, o cinto de três pontos, a tecnologia que está em todos os modelos e o aço de alta resistência (HSS) presente em diversos pontos da cabine.

Fonte.